Histórico

O Sindicato dos Servidores dos Serviços Auxiliares do Poder Judiciário do Estado da Bahia – SINTAJ – teve seu registro sindical homologado em 30 de junho de 1995 como Sindicato dos Trabalhadores Autárquicos do Poder Judiciário da Bahia para representar os interesses dos servidores do     IPRAJ, menos de dois anos após o início de suas atividades.

Nos idos de 2001, durante uma grande mobilização dos serventuários e servidores do Judiciário baiano, estes foram excluídos das negociações, os quais se desfiliaram em massa da entidade que se intitulava sua representante e buscaram guarida no SINTAJ, o qual os recepcionou de braços abertos promovendo assembleias, eleições e uma alteração estatutária para regularizar a situação. Esta alteração foi requerida junto ao Ministério do Trabalho e Emprego em 21/04/2004.

O SINTAJ é a síntese do movimento sindical no Judiciário baiano, totalmente independente, regido apenas pelos interesses da categoria, sem obrigações partidárias, portanto, autônomo nas suas decisões e sem qualquer submissão política à cúpula do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia. O compromisso do SINTAJ é, exclusivamente, com a dignidade da categoria e da instituição. O SINTAJ não é apenas uma entidade sindical, mas, antes de tudo, uma sadia mudança de mentalidade.

Nesses quase 20 anos de existência foram muitas as conquistas. A primeira delas foi a reversão da tentativa de golpe aplicado pelo Poder em 2001, conquistando a implantação do auxílio alimentação de cem reais acrescidos do abono permanente de sessenta reais. Logo em seguida houve uma luta incessante do SINTAJ para a criação e implantação do Plano de Cargos e Salários de 2004, no qual, mais uma vez, evitou-se a discriminação entre servidores e serventuários. Mais tarde trabalhou na elaboração e implantação do atual Plano de Cargos e Salários de 2008. Recentemente conquistou, administrativamente, a obrigatoriedade do TJBA em regulamentar a Lei 11.170/2008 (PCS), assim como, judicialmente, a aplicação dos reajustes lineares sobre o abono permanente de sessenta reais.

E a luta não para, pois a única ação do Poder em relação a seus servidores é a de opressão, e o SINTAJ se posta de maneira firme contra esse abuso de poder. E continuará assim pelo tempo que a sua categoria quiser e determinar, pois o que faz um sindicato forte é a sua categoria.