Notícias

Foto: Niassa Jamena/Sintaj

A presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), desembargadora Maria do Socorro Santiago, recebeu, nesta segunda-feira (17), representantes dos trabalhadores do Judiciário. O encontro aconteceu no mesmo dia em que a categoria iniciou a greve parcial aprovada na assembleia da última terça-feira (11).

A conversa resultou do “plantão” decidido pela coordenação do Sindicato dos Servidores dos Serviços Auxiliares do Poder Judiciário do Estado da Bahia (SINTAJ). De acordo com resolução tomada pelo grupo, em cada dia da greve alguns dos coordenadores iriam para o TJ-BA tentar ser recebidos pela presidente. Nesta segunda, se reuniram com a magistrada as coordenadoras de comunicação e jurídica da entidade, respectivamente Adriana Pondé e Elisabete Rangel.

Durante o encontro foi acordado que o SINTAJ, juntamente com alguns dos assessores da desembargadora, formará uma comissão para realizar um estudo técnico da pauta de reivindicações dos servidores para que haja uma negociação efetiva dos itens pedidos. O grupo iniciará os trabalhos imediatamente e será coordenado pelo chefe de gabinete da presidente, Salvador Neuraci e pela diretora de RH, Leila Lima. Já nesta terça-feira (18) a coordenação do sindicato entrará em contato com Neuraci para marcar o dia do início dos trabalhos.

Na ocasião, as coordenadoras também falaram sobre o grande número de indeferimentos de férias e licenças prêmio dos servidores dos Juizados Especiais. As representantes argumentaram com a gestora que não há motivos reais para as inúmeras negativas. Maria do Socorro se comprometeu a verificar junto ao setor responsável pelos indeferimentos o porquê de tal tratamento para com os trabalhadores dos Juizados baianos, cujo sistema é considerado o terceiro melhor do Brasil.

Foto: Niassa Jamena/Sintaj

Greve

 De acordo com a modalidade de paralisação escolhida pela classe, os servidores estão trabalhando apenas meio turno. Os da manhã prestam serviço das 7 às 10h e os da tarde das 13 às 16h.

Desta forma, os Juizados Especiais de toda a Bahia ficam fechados das 10 às 13h e das 16 às 19h. Durante os momentos de suspensão das atividades apenas 30% do efetivo de cada unidade se mantém trabalhando, dando prioridade a expedição de liminar de saúde, religamento de água e luz, dentre outros casos emergenciais.

A ação atinge todo o estado, mas em Salvador a mobilização dos trabalhadores acontece no Fórum Regional do Imbuí, Central dos Juizados Especiais. O movimento paredista em caráter parcial durará pelo menos até o dia 27 de abril, quando a categoria realizará uma nova assembleia para decidir os próximos rumos do movimento. Entretanto, caso haja avanços significativos na negociação de pauta na comissão é possível que o SINTAJ convoque uma assembleia antecipadamente.

Os principais pleitos dos trabalhadores são o pagamento do reajuste linear, negado há dois anos pelo governador Rui Costa; o pagamento da Vantagem Pessoal de Eficiência (VPE) – antiga GEE – para os servidores que não a recebem e dos passivos devidos pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA); regulamentação das férias e tratamento isonômico entre todos os membros do Tribunal.

O SINTAJ representa os trabalhadores dos Juizados Especiais, dos Juizados da Infância e Juventude e das secretarias do Tribunal.

sindicato FORTE, servidor RESPEITADO!

Comentários

Posts Relacionados