Notícias

Foto: Niassa Jamena/Sintaj

A nova administração do TJ-BA (Tribunal de Justiça da Bahia) confirmou que pagará, já a partir desse ano de 2018, aos trabalhadores da Justiça baiana o passivo do abono pecuniário referente ao período aquisitivo de 2011 a 2015. O comunicado foi feito durante reunião realizada, nesta quinta-feira (22), entre o presidente do Tribunal, desembargador Gesivaldo Britto, sua assessoria e as entidades representantes dos servidores.

Durante a reunião, foram apresentadas – pela gestão e pelas entidades – propostas concretas sobre a forma de pagamento da verba. As proposições serão analisadas pelo presidente e sua equipe e já no próximo mês de março a decisão sobre o formato escolhido será comunicada para que o processo de liquidação da dívida possa ser iniciado.

O abono pecuniário se refere à venda dos dez dias de férias a que os trabalhadores tinham direito até o ano de 2015.

Foto: Niassa Jamena/Sintaj

Britto aproveitou o encontro para apresentar sua equipe administrativa e falar da expectativa para a sua gestão. O magistrado voltou a reiterar que procurará atender os pleitos dos trabalhadores. “Tendo disponibilidade financeira vamos pagar [as verbas que o TJ-BA deve aos trabalhadores]. Queremos um bom relacionamento com os servidores. Como eu tenho dito sempre: a nossa prioridade será o servidor e o magistrado que são a base da pirâmide do judiciário”, sentenciou. O presidente não esteve presente durante toda a reunião. Após o desembargador ouvir todos os líderes presentes, a conversa passou a ser conduzida pela diretora geral Iramar Almeida.

Os coordenadores do SINTAJ (Sindicato dos Servidores dos Serviços Auxiliares do Poder Judiciário do Estado da Bahia)  presentes também fizeram questionamentos à administração sobre os outros passivos devidos, a minimização das distorções salariais entre os trabalhadores e a reposição inflacionária – atrasada há três anos.

Sobre o pagamento dos outros passivos a diretora geral afirmou que estudos já estão sendo realizados para que haja uma avaliação do que pode ser feito e prometeu celeridade no andamento dos processos que chegarem à chefia de gabinete da presidência. Resposta semelhante foi dada em relação ao linear.

Foto: Niassa Jamena/Sintaj

Os coordenadores pediram para que o projeto apresentado pelo SINTAJ para minorar as diferenças salariais entre os trabalhadores tenha um andamento mais célere. A proposta se encontra na consultoria jurídica.

Ao longo do encontro também foram discutidos assuntos ligados aos aposentados e à melhoria das condições de trabalho e saúde do trabalhador.

As reuniões individuais do presidente com os representantes de cada sindicato e associação ligados aos trabalhadores do Judiciário baiano serão também marcadas para o mês de março. O objetivo é que cada entidade possa discutir as questões específicas das suas pautas de reivindicações.

 

sindicato FORTE, servidor RESPEITADO!

Comentários

Posts Relacionados