• Giovanni Alves
    • Artigos
    • Vistos
    Autor(a)

    Giovanni Alves

    Giovanni Alves é doutor em ciências sociais pela Unicamp, livre-docente em sociologia e professor da Unesp. É pesquisador do CNPq, coordenador da RET (Rede de Estudos do Trabalho) e do Projeto Tela Crítica/CineTrabalho. Dentre os seus livros publicados estão O novo (e precário) mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo e A Tragédia de Prometeu: A degradação da pessoa humana-que-trabalha na era do capitalismo manipulatório

Publicações do(a) Autor(a)

  • Entenda a Reforma Trabalhista numa perspectiva crítica (Parte 2)0

    • 5 de setembro de 2018

    Parte 2   A Lei 13.467 de 13 de julho de 2017 implodiu efetivamente o sistema de regulação do trabalho formal baseado no contrato de trabalho-padrão, poder sindical e negociação coletiva, e o acervo de direitos trabalhistas para os que detém a carteira de trabalho como representação simbólica do trabalho formalizado. A vigência do trabalho

    LEIA MAIS
  • Entenda a Reforma Trabalhista numa perspectiva crítica0

    • 18 de junho de 2018

    Parte 1 Nosso objetivo nesta série de artigos é  expor as características do novo e precário mundo do trabalho no Brasil que se delineiam com as novas reformas neoliberais do governo Michel Temer (2016-2018). Iremos destacar como expressão jurídico-politica da materialidade do novo salariato precário, a Reforma Trabalhista promulgada na Lei 13.467. O ano de

    LEIA MAIS
  • Capitalismo flexível e o Judiciário brasileiro0

    • 31 de janeiro de 2018

      Nessa série de pequenos artigos iremos expor alguns elementos da reestruturação produtiva que atinge o setor público no Brasil desde o começo da década de 2000. Na verdade, desde o segundo governo Fernando Henrique Cardoso (1999-2002) com a Reforma Administrativa de Bresser Pereira, o Estado brasileiro sofre uma mudança na forma de organizar o

    LEIA MAIS
  • A Nova Era Neoliberal e o Trabalhador do Judiciário0

    • 2 de outubro de 2017

    Com a destituição da Presidenta Dilma Rousseff por meio de um impeachment sem crime de responsabilidade, tivemos em 2016 um Golpe de Estado perpetrado pelas classes dominantes com apoio do Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senado), Supremo Tribunal Federal (STF) e da Grande Mídia – principalmente a TV Globo, revistas Veja e IstoÉ. O

    LEIA MAIS

Últimos Posts