Em encontro, delegados debatem conjuntura política e Reforma da Previdência

Foto: Caique Oliveira/Sintaj

Na última sexta-feira (5) o SINTAJ realizou o seu Encontro de Delegados de 2019. O evento reuniu os delegados sindicais da entidade para debater a conjuntura política nacional e a Reforma da Previdência.

O encontro contou com três palestrantes: o administrador, consultor e professor universitário Ruy Barreto; a economista e supervisora técnica do DIEESE Ana Georgina Dias e o advogado Iuri Falcão.

Barreto fez um panorama da atual situação política do Brasil, relacionando esse cenário com a economia e as condições e ideologias dominantes no mundo do trabalho e tratou do avanço da ideologia conservadora no país. “O que nós perdemos entre 2013 e 2016 não foi uma presidente e sim o ambiente político”, afirmou. E complementa. “A esquerda achou que algumas situações já estavam satisfatórias. O campo conservador, apesar de não ter uma proposta consistente entendeu que o desarranjo político seria uma oportunidade de ascender ao poder”.

Ana Georgina tratou especificamente da Reforma da Previdência, que já está em tramitação no Congresso. De acordo com a economista, o atual projeto tem como medidas mais nefastas a proposta de substituir o sistema baseado na solidariedade pelo de capitalização (onde cada trabalhador faz uma espécie de poupança para a sua aposentadoria) e a penalização que a PEC faz dos mais pobres e dos trabalhadores públicos que não são do alto escalão.

Da dir. pra esq. Ana Georgina, Ruy Barreto e Iuri Falcão Foto: Niassa Jamena/Sintaj

“No sistema de capitalização cada trabalhador contribuirá com a sua caixinha, que não será mais gerida pelo governo. Caso eu fique impossibilitada de contribuir eu não tenho um sistema que me ampare” resumiu Georgina.

A última palestra foi do advogado Iuri Falcão, que abordou a retirada de direitos e fez um apanhado histórico do ataque liberal que o país vem sofrendo. Na visão de Falcão, a reforma é apenas mais uma etapa desse ataque, cujo próximo passo será a reforma tributária. “Eles querem desonerar a produção, mas não para gerar mais empregos. Mas sim para aumentar o número de ricos, o consumo de luxo, favorecer a uma classe média que possa consumir mais. É uma visão econômica centrada nos de cima”, analisou.

Após as palestras houve um momento para os delegados fazerem perguntas, comentários e debaterem com os palestrantes e, ao final, os presentes fizeram críticas e sugestões para a nova coordenação eleita. Todas as ideias serão analisadas pela coordenação na próxima reunião.O encontro aconteceu na sede do SINTAJ.

sindicato FORTE, servidor RESPEITADO!

sintaj
sintaj
EDITOR
PERFIL

Posts Carousel

Comente

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Últimas postagens

Mais comentados

Vídeos