Notícias

Foto: Niassa Jamena/Sintaj

Dando prosseguimento às ações para cobrar à administração do TJ-BA (Tribunal de Justiça da Bahia) que cumpra o acordo firmado com o SINTAJ (Sindicato dos Servidores dos Serviços Auxiliares do Poder Judiciário do Estado da Bahia), coordenadores da instituição sindical se reuniram, nesta quarta-feira (22), com o coordenador dos Juizados Especiais, Paulo Chenaud.

Durante o encontro, os representantes dos trabalhadores da Justiça baiana abordaram novamente a falta de celeridade no andamento do processo que minimiza as disparidades salariais entre os servidores e o fato de a presidente da Corte, desembargadora Maria do Socorro Santiago, ainda não ter enviado para a ALBA (Assembleia Legislativa da Bahia) o projeto requerendo o reajuste linear dos trabalhadores, atrasado há dois anos.

Sobre o projeto que diminui as diferenças remuneratórias Chenaud afirmou que Maria do Socorro cumpriu com a palavra, já que o projeto está na Comissão de Reforma. “O que a gente prometeu foi encaminhar para a Comissão de Reforma. Mas a comissão foi atropelada por vários projetos”, disse.

Entretanto, o que ficou combinado entre a magistrada e o SINTAJ foi que ela encaminharia o texto para a Comissão de Reforma e se empenharia para dar celeridade ao processo de tramitação. Atualmente o projeto apenas vai de uma secretaria para outra sem que o TJ-BA dê nenhuma decisão definitiva para que ele possa seguir para a ALBA.

Já em relação ao linear, o magistrado disse que iria falar com a mandatária sobre a questão.

Foto: Niassa Jamena/Sintaj

Segundo o acordo firmado pela presidente, o texto seria mandado assim que o governador Rui Costa enviasse matéria concedendo a reposição para os servidores do Executivo. No entanto, Costa já o fez para policiais e professores, cujo requerimento de urgência foi aprovado pela ALBA nesta terça-feira (21), e ainda não ocorreu nenhuma movimentação por parte do Tribunal.

Diante da postura do TJ-BA, o SINTAJ e os trabalhadores do Judiciário baiano continuarão mobilizados para conseguir o cumprimento total do acordo. A coordenação da entidade sindical já solicitou uma reunião com a desembargadora Maria do Socorro, mas, se não houver uma resposta satisfatória, os servidores tomarão as atitudes necessárias.

Nesta terça os trabalhadores já haviam se reunido com o chefe de gabinete da presidência, Salvador Neuraci – que também esteve presente na conversa desta quarta, para tratar sobre os mesmos temas.

 

sindicato FORTE, servidor RESPEITADO!

 

Comentários

Posts Relacionados