• DESAFIOS DO SINDICALISMO FRENTE À DESIGUALDADE DE GÊNERO0

    Muito se fala sobre o papel dos sindicatos na luta em defesa dos direitos da classe trabalhadora. E, sem dúvida, este papel é de suma importância, pois sem a organização da classe que vive do trabalho e sem as históricas batalhas em torno dos seus mais elementares direitos, nenhuma conquista seria possível neste campo, haja

    LEIA MAIS
  • Sororidade, do que trata este conceito?0

    A palavra sororidade tem sido cada vez mais utilizada em diversos lugares e por pessoas dos mais variados espectros sociais, não se restringindo aos espaços e discursos exclusivamente feministas, como outrora. Seu uso tem se espraiado e sua apropriação tem gerado discursos diversos, que vão desde reivindicações legítimas pela união das mulheres em torno de

    LEIA MAIS
  • PEC 6/2019: a redação aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados0

    Em 13 de julho de 2019, foi aprovada na Câmara dos Deputados, em primeiro turno de votação, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 06/2019, que trata de mudanças na Previdência. O texto substitutivo aprovado na Comissão Especial que analisou a PEC 06/2019 foi aprovado com algumas modificações. Durante o processo de análise e aprovação

    LEIA MAIS
  • Basta de uso retórico e instrumental do gênero no âmbito jurídico0

    O termo “gênero” está na moda, inclusive no âmbito jurídico. E em que pese tratar-se de um dos conceitos mais caros às teorias feministas contemporâneas, nem sempre é tomado como tal, isto é, como uma categoria de análise da realidade social. Mas ao revés, tem sido utilizado de modo bastante equívoco, quando não ambíguo. Há

    LEIA MAIS
  • Mais do mesmo em termos de gênero0

    Uma lista tríplice contendo nomes de advogados baianos foi divulgada pelo TJ-BA no dia dez de abril do fluente ano. Este documento será enviado ao governador da Bahia para que proceda à nomeação daquele que ocupará o cargo de desembargador pelo quinto constitucional. Na referida relação não consta o nome de nenhuma advogada, não obstante

    LEIA MAIS
  • O que fazer agora?0

    O pensamento conservador brasileiro, que não é liberal, mas neo (pós) colonial, produziu em 1989 Collor para opor-se ao governo progressista de Lula. Em 2018, 29 anos depois, produz Bolsonaro com o mesmo propósito. O curioso, é que nesse momento vejo o movimento progressista menos articulado e sem uma bandeira para galvanizar a população. Em

    LEIA MAIS